Paraty cidade histórica

Ao largo dessa discussão e mais preocupado com questões como saneamento e assoreamento, a seu ver prioritárias em uma cidade de novo próspera, Amyr segue cuidando da Marina do Engenho onde, vez por outra, recebe amigos que fez em suas jornadas mar adentro – e que tem a particularidade de abrigar a casa onde, um dia, viveu Julia, a paratiense que viria a ser a mãe do escritor alemão Thomas Mann. Já não é tão fácil encontrá-lo pelas ruas da cidade, exceto quando, como agora, ele pilota, timidamente, os leitores de uma revista pelos estreitos e enseadas de sua memória. Será mais provável, sem dúvida, achá-lo em algum ponto do mar, seja nas águas plácidas de Jurumirim ou nas turbulentas da Passagem de Drake. O certo é que em qualquer dessas latitudes, nosso comandante estará em casa. Como confirma o nome da vila pintado no casco de sua embarcação.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta