Serras de Sao Paulo

Os lençóis mais macios e os ofurôs mais caprichados? Tem. O café-da-manhã mais suculento e a fondue mais sensacional? Tem também. As pousadas mais escondidinhas? Peraí, estamos procurando… (tem!). E perto das baladas? Tem, sim senhor. Tem um lugarzinho onde eu me sinta como se estivesse na minha própria casa? A-hã. E onde eu seja tratado com mais mordomias que Maria An-tonieta? Aqui tem tudo. E o que faço se chover? Vou morrer de tédio? Não, senhor. Procure na letra T, de Tempo Ruim, ou na Z, de Zen… Ah, mas ando preocupado com o aquecimento global e queria ficar numa pousada ecologicamente correta. Tem? Claro, vá direto à letra V. Nesta sopa de letrinhas, tem a receita perfeita para seu inverno.
Algodao bem que a Nasa e outros centros de alta tecnologia se esforçam, mas é difícil inventar substituto para a maciez e textura da fibra natural. O algodão reina há séculos sobre as camas mais luxuosas do planeta. A variedade mais nobre, a egípcia, tem filamentos longos que resultam em tecidos fofíssimos e suaves. Mas a matéria-prima do país das pirâmides não assegura sozinha o conforto das peças. A qualidade depende da quantidade de fios usados para fazer a trama (densidade por polegada quadrada). Quanto maior, melhor. Colchas, lençóis e edredons dos sonhos começam em 200 fios, o dobro do usado em roupas de cama comuns. E podem chegar a mil.
Ir para as montanhas não significa ficar recluso. Na temporada, Campos do Jordão (SP), Petró-polis (RJ) e Gramado (RS) têm tanto de badalação quanto de frio, com casas noturnas hypadas e bares lotados. Conheça três respostas às suas preces boêmias de inverno – para cair na farra a pé ou, no máximo, gastar minutos de carro.
Café-da-manhã Pão com manteiga e café com leite, só, estão fora de moda. Que tal panquecas de funghi e casquinha de truta defumada, como no Chateau La Villette? E doce de jaca e mousse de chocolate, da Les Roches; ou coq au vin, cuscuz de tapioca e prosecco, da Mauá Brasil? A Terra da Luz assa até pizza. E a Sal da Serra capricha na cartilha light, com 12 tipos de fruta seca e fresca, pães integrais e produtos orgânicos. Além de ter variedade, a refeição tornou-se tão liberal que pode chegar até a hora do almoço. O recorde de longevidade pertence à Ronco do Bugio, que só tira a mesa depois das 16h.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta