Nova Orleans e cinema

Nova Orleans e cinema

O clima do French Quarter está presente em vários filmes, como o musical Balada Sangrenta (de 1958, o melhor do rei Elvis Presley), o cult Daunbailó (1986, de Jim Jar-musch), o suspense barra-pesada Coração Satânico (1987) e o romântico e divertido Blaze, o Escândalo (1989), com Paul Newman como o folclórico governador Earl Long. Mas a escolha mais completa para sacar o lugar ainda é o clássico Uma Rua Chamada Pecado (1951), primeira versão da peça Um Bonde Chamado Desejo, deTennessee Williams. Nas tintas realistas do diretor Elia Kazan, ali está o drama da paixão de Stanley Kovvalski (Marlon Brando) por Stella (Kim Huntcr), que moram num pequeno prédio da Avenida Elysian Fields. Fora o jazz e o blues, a grande festa de Nova Orleans é o Mardi Gras, cujo retrato cinematográfico está em outro clássico, Sem Destino (1969). Mais uma atração: curtir Nastassja Kinski, no auge da gostosura, em A Marca da Pantera (1982) e descobrir o zoológico da cidade, Audubon, entre os cinco melhores do mundo.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe uma resposta