Archivo para la Categoría » Turismo em portugal «

Capital portuguesa do Lisboa

Capital portuguesa do Lisboa

No emocionante Páginas da Revolução (1995), a história se passa na década de 30, mas muito da bela capital portuguesa permanece intocado. No papel do jornalista Pereira, o grande Marcello Mastroianni trabalha no Morro de São Jorge, perto do célebre castelo que domina a paisagem lisboeta, e caminha pelas ruas da Alfama, o Largo do Rocio e no clímax final a Rua do Comércio. Um trecho de poucos minutos em A Casa da Rússia (1990) deverá ser suficiente para convencer qualquer um a se enamorar por Lisboa: é a privilegiada vista panorâmica que, de sua janela na Cidade Alta, Sean Connery usufrui o porto e a desembocadura do Rio Tejo no mar.

De Lisboa a Santos

Nesse pacote, o passageiro vai para Lisboa de avião e volta a bordo do Island Escape. Os pontos de parada são Ilha da Madeira, Ilhas Canárias, Cabo Verde, Recife, Salvador, Búzios, Rio de Janeiro e Santos, numa viagem de 18 dias. Inclui cruzeiro com pensão completa, passagem aérea, 2 noites de hospedagem em Lisboa e traslado.

Turismo no porto portugal

QUEM DÁ MENOS?.
Além de boa e bonita, a segunda maior cidade portuguesa ainda esnoba com outro adjetivo: é extremamente barata para os padrões europeus. Segundo nossos leitores, o Porto só perde para Buenos Aires no quesito preço. A seguir, comparamos alguns custos básicos do dia-a-dia do turista em duas das “segundinhas” mais queridas dos brasileiros no Velho Mundo.


PORTO BARCELONA MILÃO
Metrô €0,85 €1,25 €1
Atração* €5 €8 €6
Almoço** €6 €10 €15
Café €0,50 €1 €1,5

Pacotes para Portugal

Quem leva:
Boa parte dos pacotes para Portugal inclui o Porto, além de Lisboa e outras cidades no caminho entre as duas, como Coimbra A Bon Voyage (11/3258-6522, bonvoya getur.com.br) leva para esses três lugares por€ 1135, em um roteiro de seis noites, duas em cada uma. Jáa Flot (11/4504-4544, flot.com.br) tem pacote de dez dias, numa viagem que inclui Braga, Aveiro, Coimbra, Fátima, Lisboa e, evidentemente, o Porto, onde começa o roteiro. Por € 2 276. Quem quiser investir apenas na cidade e arredores pode ir de CVC (11/2146-7011, cvc.com.br), com quatro noites no Porto no Qua-lity Inn Praça da Batalha por €885. O hotel não é luxuoso, mas fica no centrão, perto do Palácio da Bolsa e da Estação São Bento. Sem aéreo, o roteiro da Abreutur (21/2586-1840, abreutur.com.br) tem quatro noites no cinco-estrelas Ipanema Park, com vista para o Douro, e custa € 286 (cerca de USS 390). Inclui traslados e city tour. Consulte também seu agente de viagens.

Turismo Porto Portugal

Como chegar:
A TAP (0300-210-6060, flytap.com.br) é a única que faz vôos diretos para o Porto, desde USS 943. PelaTAM (0800-5705700, tam.com.br), custa USS 957, com conexão em Londres, Paris ou Milão. Quem estiver em Lisboa (os vôos de São Paulo custam desde USS 955, pela TAP) pode tranqüilamente ir de carro. O trajeto, pela rodovia Ai, a mais importante do país, tem 318 km e dura até cinco horas. Paga-se € 18,65 de pedágio (em Portugal diz se portagem). As melhores tarifas de aluguel de carro são . as do site Cars For Less (cars-for-less-car-rent.com), que cruza os preços de locadoras como a Avis (avis.com.pt) e Europcar (europcar. pt). Dá para conseguir pechinchas como um Nissan Micra por uma semana a € 122,40 com seguro incluído e quilometragem livre.

Porto gastronomia

TOUR GASTRONÔMICO.
Para começar, acorda fria de sapateira com bacalhau, molho de mariscos e pesto de tomate. Depois, novilho grelhado com queijo da Serra ou lombinho recheado com foie gras fresco, acompanhado de purê de manga. Por fim, morangos marinados em vinho do Porto, com uma espuma de iogurte entre crocantes de amêndoas. Na cidade mais gostosa do mundo, segundo os leitores da VT, o Foz Velha (Esplanada do Castelo, 141,351/226-154-178; Cc: todos) é um dos responsáveis pela chamada “nova gastronomia portuguesa”. Outra boa pedida é o Cafeína (Rua do Padrão, 100,351/226-108-059; Cc: todos), com receitas como as costeletinhas de cordeiro folhadas com legumes. Mas, na terra do bacalhau e dos cozidos, o tradicional tem seu valor. E uma ida à simples Casa Aleixo (Rua da Estação, 216,225-370-462; Cc: todos) é inesquecível. Prove as alheiras ou as receitas de carne de porco. A Adega Pacheco (Rua de Miraflor, 20-26,351/225-368-787) é a pedida para pratos típicos. E não deixe de ir ao Buli & Bear (Avenida da Boavista, 3431,35V226-107-669; Cc: todos), com receitas bem interpretadas de ingredientes portugueses – caso das amêijoas com feijão-manteiga ou do bacalhau com migas.

Port pontos turisticos

O charme dessa nova cidade está justamente em conjugar propostas tão modernas com seu casario secular e colorido, suas vielas e seus becos calçados, suas lindas pontes e fachadas cobertas de azulejos. Uma ida até lá não pode deixar de incluir clássicos como uma visita ao Palácio da Bolsa (Rua Ferreira Borges, 351/223-399-000, pa laciodabolsa.pt; € 5), onde está o belo Salão Árabe, ou às imponentes igrejas e catedrais, como a Sé (Terreiro da Sé, 222-059-028), com registros que remontam ao século 12. Subir e descer os Aliados, dar uma espiada nos painéis da Estação de São Bento (Praça Almeida Garrett, 351/222-002-722), passear pela Rua de Santa Catarina e pela Ribeira e e ir conferir o acervo da livraria Lello e Irmão (Rua das Carmelitas, 144,222-018-170; Cc: todos), instalada num espetacular edifício art nouveau de 1906, são igualmente obrigatórios. Assim como uma visita às caves de vinho do Porto do outro lado do rio, em Vila Nova de Gaia.
Nos últimos anos, a lista passou a incluir também a Fundação de Serralves (Rua de Serrralves, 977,351/808 200-543, serralves.pt; € 5), o maior acervo de arte contemporânea de Portugal, um projeto do arquiteto Siza Vieira que é apontado como o embrião do Porto moderno, e a Casa da Música (Avenida da Boavista, 604-610, casada musica.com; visita guiada: € 2), uma obra impressionante do arquiteto holandês Rem Koolhaas que abriu suas portas em abril de 2005. Para começar, do lado de fora o edifício lembra a forma de um diamante lapidado, com paredes e cortes irregulares. Do lado de dentro, é uma impressionante mistura de elementos que vão de tetos vazados e tubos aparentes a paredes forradas com lâminas de ouro. A sala de concertos principal é apontada como uma das melhores do mundo e inclui detalhes como cadeiras forradas com um tecido especial que imita a absorção do som pelo corpo humano, para que a orquestra possa ter o mesmo retorno durante os ensaios que tem com a casa lotada. Há luzes de leitura individuais para a platéia. Com uma média de 180 mil visitantes por ano, a Casa da Música já é uma das principais atrações turísticas do Porto. E quando uma cidade com quase nove séculos de história ganha um cartão-postal tão ousado e futurista, algo indica que as mudanças não são efêmeras. Elas vieram mesmo para ficar.

Melhor hotel de porto

É exatamente na região da Foz onde mais se respira esse ar de vanguarda. Pode ser, por exemplo, entre as paredes roxas e vermelhas do Foz Velha, o restaurante em que o chef Marco Gomes propõe uma releitura de pratos portugueses tradicionais em refeições gourmet (veja boxe abaixo), ou no Era Uma Vez no Porto (Rua do Passeio Alegre, 550,351/912-431-962), uma deliciosa volta ao passado em mais um endereço múlti. Entre papéis de parede retro, cortinas pesadas de veludo e um ar muito cool, está um salão de cabeleireiro que fica aberto até tarde da noite, uma loja de roupas e bicicletas, um brechó e um animado café no último andar. Quem vai visitar esse novo Porto certamente estará em casa na 345 Guest House (Rua Pero da Covilhã, 345,351/226-170-656,345guesthouse.com; diárias de € 110 a € 220; Cc: todos) ali ao lado, uma casa projetada em 1950 pelo arquiteto Viana de Lima, um consultor da Unesco e parceiro de Niemeyer. O projeto, de linhas retas e ambientes aconchegantes, conta com apenas sete quartos de hóspedes a poucos passos do mar. Outro hotel que se encaixa nesse novo espírito da cidade é o Sheraton Porto (Rua Tenente do Valadim, 146,351/220-404-OOO, sheraton porto.com; diárias de € 230 a € 490, sem café-da-manhã; Cc: todos), que rompeu com todo o estereótipo clássico e rococó que dominava a hotelaria ao trazer um hall com um vão livre que vai até o topo do edifício de 12 andares, ambientes de design e um moderno e bem equipado spa.

Turismo em porto alegre

PORTO ALEGRE.
Os mirantes de Vila Nova de Gaia, do outro lado do Douro.
Um restaurante com privadas no lugar de cadeiras. Um lounge com o melhor dos DJs europeus. Uma sala de música futurista. Onde você pensa que está? No Porto, que deixou a melancolia portuguesa pratrás – e está irreverente e gostoso.
Ahora do almoço seguia lenta e preguiçosa naquela tarde ensolarada de quarta-feira. Pratos bem montados saíam a todo momento da cozinha e o entra-e-sai era freqüente. Na mesa ao lado, duas senhoras de 40 e poucos anos, elegan-térrimas em seus casacos de pele e botas de salto agulha, bebiam vinho e falavam de negócios. A cena seria absolutamente normal não fosse um detalhe: elas estavam sentadas em vasos sanitários. E cada vez que precisavam usar o guardanapo, puxavam um pouquinho do rolo de papel higiênico preto depositado estrategicamente ao lado da privada. Assim, sem o menor pudor, como se estivessem em salões dourados, acomodadas em cadeiras Luís XV. O W Duck (Avenida da República, 345, Matosinhos, 351/912-986-706) é a última sensação do Porto, uma cidade que, nos últimos anos, sacudiu a poeira e a melancolia e começou a se reinventar, cravando os pés no futuro. Os ingredientes da casa são simples e certeiros: boa música, ambiente desencanado e ótima comida – leia-se receitas de fusão elaboradas pelo chef Cordeiro, um dos grandes nomes da cena gastronômica do país, com uma estrela Michelin no currículo. Além, claro, de certa ousadia no de-sign. “Por que é que um restaurante tem de ser cozy, todo certinho, com tudo no lugar?”, questiona Ivo Teixeira, um dos sócios. “A idéia aqui foi desconstruir conceitos.” No andar de cima, o clima continua com um ambiente que mistura cinco lojas conceituais. Na sala está um ateliê dedicado ao design português; num dos quartos, uma loja de roupas com peças moderninhas de diferentes grifes; no outro quarto há um espaço de aromaterapia com velas, sabonetes, óleos e essências naturais. Até a cozinha e o banheiro foram aproveitados – há um minimercado de produtos orgânicos e um showroom de artigos de banho. O W Duck faz parte de uma linguagem muito própria que a cidade está criando: a da “verticalização dos espaços”, como gostam de chamar os locais. “Não temos aqui um bairro que concentre várias opções de lazer, é tudo muito separado. A solução foi adaptar prédios para alojar diversos projetos em conjunto”, diz a designer Rute Arnó-bio, sócia da loja Águas Furtadas, que reúne o trabalho de 75 artesãos contemporâneos de todo o país e está tanto no W Duck quanto em outro espaço nos mesmos moldes do outro lado da cidade, na Foz do Rio Douro. Ali, os tais projetos em conjunto encontraram uma bela construção com um terraço debruçado sobre o rio e vários andares e meza-ninos moderninhos. Cada um foi sendo ocupado por uma idéia diferente e o resultado foi o mais badalado endereço da cidade, o Bazaar (Cais das Pedras, 13, 351/919-611-415) que inclui um charmoso lounge com mesas ao ar livre no verão e uma animada disco inspirada em casas londrinas, com programação que inclui, além de residentes, alguns dos melhores DJs europeus.